+ Responder Tema
Resultados 1 al 4 de 4

Tema: Novo secretário pede fim da prisão de pequenos traficantes

  1. #1
    Fecha de Ingreso
    22 Nov, 10
    Mensajes
    16
    Gracias
    38
    72 gracias recibidas en 14 Posts
    Mencionado
    5 Mensaje(s)
    Etiquetado
    0 Tema(s)
    Citado
    1 Mensaje(s)

    Novo secretário pede fim da prisão de pequenos traficantes

    Novo secretário pede fim da prisão de pequenos traficantes
    Eles correspondem a mais da metade dos 70.000 presos nos últimos 4 anos

    O fim da prisão de pequenos traficantes que atuam no varejo apenas para sustentar o próprio vício. É o que defende o novo secretário Nacional de Políticas sobre Drogas, Pedro Abramovay, em entrevista ao jornal O Globo. Segundo ele, a atual lei apenas colabora para abarrotar os superlotados presídios brasileiros, já que os pequenos traficantes correspondem a mais da metade dos presos nos últimos quatro anos: de um total de 70.000 presos, eles são 40.000.

    Abramovay sustenta que eles estão em uma situação intermediária entre o usuário e o traficante ligado ao crime organizado. Embora ressalte que o assunto deve ser discutido exaustivamente com a sociedade, o secretário vê com mais simpatia a experiência de Portugal que, há dez anos, liberou o consumo de pequenas quantidades de droga.

    Sobre o avanço do crack, Abramovay aguarda o resultado de um diagnóstico feito pela Fundação Oswaldo Cruz e contratado pelo governo, que deve ficar pronto no mês que vem. “O crack, muitas vezes, é localizado em regiões, caso da Cracolândia, em São Paulo. Temos de fazer com que se direcionem as políticas para aquelas regiões”, adiantou.

    Senad - Ex-secretário nacional de Justiça e de Assuntos Legislativos, o advogado de apenas 30 anos assumiu o comando da Senad, que o governo Dilma Rousseff levou do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência para o Ministério da Justiça. “A construção de uma política nacional de enfrentamento ao tráfico de drogas, e a vinda para o Ministério da Justiça facilita muito. Hoje, temos as polícias das 27 unidades da Federação trabalhando de modo pouco articulado”, disse.

    Ele defende uma padronização do procedimento, o financiamento de novas tecnologias e a integração das informações. “A ideia que o ministro vai propor aos governadores é que a gente possa ter um Gabinete de Gestão Integrada para o combate ao tráfico de drogas, onde você vai ter as polícias Militar, Civil, Federal se reunindo periodicamente e estabelecendo estratégias com compartilhamento de informações”, pontuou.
    Grower NÃO é traficante

  2. Los siguientes 4 Usuarios dan las gracias a mofs por este Post:

    Homer loko (12/01/2011), Jim*Morrison (12/01/2011), rubinho (12/01/2011), wellington (16/01/2011)

  3. #2
    Fecha de Ingreso
    22 Nov, 10
    Mensajes
    16
    Gracias
    38
    72 gracias recibidas en 14 Posts
    Mencionado
    5 Mensaje(s)
    Etiquetado
    0 Tema(s)
    Citado
    1 Mensaje(s)

    Re: Novo secretário pede fim da prisão de pequenos traficantes

    Não sei se esse cara vai conseguir o que ele quer, mas que ele esta tentando, e tentando muitas coisas boas, está.


    11/01/2011 | Política de Drogas | Brasil
    Governo propôe fim de prisão para pequenos traficantes

    Pedro Abramovay, secretário nacional de Políticas sobre Drogas, disse que o governo Dilma Rousseff vai apresentar ao Congresso e à sociedade uma proposta de acabar com a pena de prisão para o pequeno traficante de drogas, que atua no varejo. A ideia é punir essas pessoas com penas alternativas e reduzir o problema da superlotação carcerária. Entre 2006 e 2010, dos 70 mil presos em todo o pais, 40 mil se enquadravam na categoria de pequenos traficantes. Segundo Abramovay, essas pessoas estão sendo aliciadas pelo crime organizado dentro das penitenciárias. Ao mesmo tempo, o governo quer aprovar o projeto de lei que prevê pena de três a oito anos para os integrantes de organizações criminosas. Para debater essas mudanças, a presidente Dilma Rousseff tirou a secretaria de Abramovay do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, comandado por generais, e transferiu-a para a alçada civil do Ministério da Justiça.
    Novo secretário defende fim da prisão para pequenos traficantes

    O novo secretário Nacional de Políticas sobre Drogas, Pedro Abramovay, defendeu ontem a aprovação do projeto que prevê o fim da prisão para pequenos traficantes, que atuam no varejo apenas para sustentar o próprio vício. São pessoas que, segundo a definição do secretário, estariam numa situação intermediária entre o usuário e o traficante ligado ao crime organizado. A atual lei está abarrotando os já superlotados presídios brasileiros: dos 70 mil presos nos últimos quatro anos, 40 mil são pequenos traficantes. Abramovay vê com simpatia também a experiência de Portugal que, há dez anos, liberou o consumo de pequenas quantidades de droga. Mas entende que o assunto tem de ser discutido exaustivamente com a sociedade. Ex-secretário nacional de Justiça e de Assuntos Legislativos, o advogado de apenas 30 anos assume o comando da Senad, que o governo Dilma Rousseff levou do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência para o Ministério da Justiça.

    Jailton de Carvalho

    O governo já tem uma ideia da gravidade do avanço do crack? O que vai ser feito?


    PEDRO ABRAMOVAY: Para ter essa ideia completa, é preciso que fique pronto o diagnóstico que o governo contratou. Vai ser o primeiro grande diagnóstico feito pela Fundação Oswaldo Cruz sobre o tema. Fica pronto mês que vem. Vai permitir que a gente possa ter foco na política pública. O crack, muitas vezes, é localizado em regiões, caso da Cracolândia, em São Paulo. Temos de fazer com que se direcionem as políticas para aquelas regiões. Capacitar com mais intensidade os agentes públicos daqueles lugares a lidar com o crack. É possível de ser enfrentado.

    Hoje, o combate ao tráfico é uma atribuição das polícias. O que a Senad tem a oferecer?

    ABRAMOVAY: A construção de uma política nacional de enfrentamento ao tráfico de drogas, e a vinda para o Ministério da Justiça facilita muito. Hoje, temos as polícias das 27 unidades da Federação trabalhando de modo pouco articulado. A gente precisa estabelecer padronização de procedimento, buscas de novas tecnologias, integração das informações. O governo pretende financiar novas tecnologias, criar uma política única e integrada. A ideia que o ministro vai propor aos governadores é que a gente possa ter um Gabinete de Gestão Integrada para o combate ao tráfico de drogas, onde você vai ter as polícias Militar, Civil, Federal se reunindo periodicamente e estabelecendo estratégias com compartilhamento de informações.

    A Senad nasceu com esse papel de articulação, mas não teve resultado significativo. Por que teria agora?

    ABRAMOVAY: Em várias áreas teve: assistência social, saúde. A gente conseguiu criar política sobre drogas muito maior que antes. A possibilidade de se fazer o Plano do Crack vem disso. Faltava integrar esse braço da segurança pública. De fato, a gestão dessa política não estava integrada à política nacional. A vinda para o Ministério da Justiça representa uma aposta, pois ele tem mais relação com as polícias. No Gabinete de Segurança Institucional, esse era um diálogo mais difícil.

    Ano passado, o Ministério da Justiça preparou um projeto para acabar com a prisão de traficantes de baixa periculosidade. Ele vai ganhar força?

    ABRAMOVAY: A gente teve uma lei nova em 2006, que separou o usuário do traficante. O usuário não tem prisão e, do jeito que está hoje, praticamente não tem pena. E para o traficante há uma pena altíssima. Só que a realidade é muito mais complexa. Você não tem só essas duas divisões. Depois da lei, houve uma explosão carcerária. Em 2006, a gente tinha cerca de 60 mil pessoas presas por crimes relacionados a drogas. Hoje, há cem mil pessoas presas. Houve um aumento de 40 mil, sendo que o aumento total da população carcerária foi de 70 mil. A gente está pegando pessoas que não têm ligação com o crime organizado, botando na prisão e, depois de um ano e pouco, já com ligação com o crime organizado, devolvendo à sociedade. Temos de fazer uma opção: vai disputar (o pequeno traficante) para reintegrá-lo à sociedade, ou vai desistir dele e entregá-lo ao crime organizado?

    Vai ser enviado um novo projeto para o Congresso?

    ABRAMOVAY: A legislação tem de ser discutida com a sociedade, mas com argumentos. Recentemente, o Supremo decidiu duas coisas: a primeira, que essas pessoas podem ter penas alternativas; e a segunda, que elas podem responder em liberdade. Um homicida pode responder processo em liberdade. É uma ideia, sim, discutir com o Congresso. Já até há discussões no Congresso. A gente precisa debater a pena alternativa para essas pessoas e aprovar a lei do crime organizado, que prevê pena de três a oito anos só pelo fato de pertencer a uma organização criminosa. Vamos tratar o usuário. Vamos reinseri-lo socialmente e vamos punir com penas alternativas, que têm de ser controladas. Com o traficante da organização criminosa, precisamos ter repressão forte e capacitada.


    Quase todos os governos aumentaram as verbas para o combate às drogas. Mas o consumo permanece nos mesmos patamares. É possível fazer isso regredir ou a alternativa é a liberação (do consumo das drogas)?

    ABRAMOVAY: No Brasil, além da existência do tráfico de drogas, o problema concreto é que a gente tem um tráfico muito violento. A gente precisa diminuir a violência ligada ao tráfico. Por isso, também uma política de drogas que esteja combinada com segurança pública é muito importante. A gente precisa ter política efetiva de redução da violência relacionada às drogas.

    Mas o senhor é a favor da liberação do consumo da maconha?


    ABRAMOVAY: Não dá para você ter uma solução num só país para o tema. O ministro defendeu uma discussão livre de preconceito. Primeiro, a gente tem compromissos internacionais sobre esse tema. Se o mundo inteiro proíbe, a gente vai produzir drogas, ter latifúndios de produção de droga para abastecer o crime organizado do mundo inteiro? Não é solução. Também não dá para manter a política atual de, em quatro anos, ter um aumento de 40 mil pessoas na cadeia, pessoas que não deveriam estar lá. Entre uma coisa e outra, entre a guerra contra as drogas e a legalização, há enorme variedade (de opções). Agora é o momento de ouvir a sociedade. Estamos abertos a todas as propostas. Vamos chamar uma discussão pública sobre isso.

    Essa experiência da descriminalização poderia ser tentada no Brasil?

    ABRAMOVAY: Portugal é um país muito menor que o Brasil. Não sei se dá para fazer daquele jeito, mas a gente tem que conhecer. O primeiro passo é frear esse processo de explosão carcerária irracional.

    Fonte: O Globo
    Última edición por mofs; 12/01/2011 a las 17:25 PM
    Grower NÃO é traficante

  4. Los siguientes 7 Usuarios dan las gracias a mofs por este Post:

    dead xuxu (14/01/2011), Harvest*Time (12/01/2011), Homer loko (12/01/2011), Jim*Morrison (12/01/2011), rubinho (12/01/2011), Thulle (13/01/2011), wellington (16/01/2011)

  5. #3
    Fecha de Ingreso
    20 Sep, 09
    Ubicación
    Uzbequistão
    Mensajes
    2,335
    Gracias
    21,852
    6,450 gracias recibidas en 2,001 Posts
    Mencionado
    166 Mensaje(s)
    Etiquetado
    75 Tema(s)
    Citado
    351 Mensaje(s)

    Re: Novo secretário pede fim da prisão de pequenos traficantes

    Oh... the times.... the times are changing...
    Manipular informação é uma forma de censura


  6. Los siguientes 7 Usuarios dan las gracias a Harvest*Time por este Post:

    dead xuxu (14/01/2011), Homer loko (12/01/2011), Jim*Morrison (12/01/2011), Macaco Natalino (12/01/2011), mofs (12/01/2011), Thulle (13/01/2011), wellington (16/01/2011)

  7. #4
    Fecha de Ingreso
    26 May, 09
    Ubicación
    Brasil
    Mensajes
    3,924
    Gracias
    981
    5,391 gracias recibidas en 2,047 Posts
    Mencionado
    0 Mensaje(s)
    Etiquetado
    48 Tema(s)
    Citado
    14 Mensaje(s)

    Re: Novo secretário pede fim da prisão de pequenos traficantes

    they are!


    (num sei pq mas só essa que tem de boa qualidade no youtube, a do watchmen)
    Não temo a guerra, pois a covardia não muda o destino.


  8. Los siguientes 2 Usuarios dan las gracias a Macaco Natalino por este Post:

    dead xuxu (14/01/2011), Harvest*Time (13/01/2011)

+ Responder Tema

Usuarios Etiquetados

Permisos de Publicación

  • No puedes crear nuevos temas
  • No puedes responder temas
  • No puedes subir archivos adjuntos
  • No puedes editar tus mensajes