+ Responder Tema
Página 2 de 2 PrimerPrimer 12
Resultados 16 al 20 de 20

Tema: Codigo penal para cultivo de Canábis PT

  1. #16
    Fecha de Ingreso
    16 May, 13
    Mensajes
    213
    Gracias
    66
    120 gracias recibidas en 84 Posts
    Mencionado
    9 Mensaje(s)
    Etiquetado
    1 Tema(s)
    Citado
    47 Mensaje(s)

    Re: Codigo penal para cultivo de Canábis PT

    Cita Iniciado por Dika Ver Mensaje
    @Noctie
    Se eles vierem ou se vieram também não vais saber talvez notes um desaparecimento de algum membro ? talvez não, de qualquer maneira incentivo o pessoal a expor as suas histórias e procurar advogados especializados nestes casos, mas eu acho que não há razão para grande preocupação, mas cada um sabe da sua vida. Quando dizes que só se deve preocupar quem trafica, a lei não diz isso por isso é compreensivel, prevê pena de prisão e/ou multa para quem cultiva, passa um charro, etc, pelo menos conforme citado no 2º post, mas é como dizes é eles quererem individualmente e têm todas as barbaridades escritas na lei a favor deles.
    Mas se isso realmente acontecesse não desaparecia para sempre, acho que mais cedo ou mais tarde voltaria para contar a sua historia a não ser que agora andem a mandar o pessoal para Guantanamo

    Claro que devemos ter certos cuidados mas sinceramente não acredito que alguém apanhe pena de prisão efectiva por cultivar para consumo próprio, no máximo dos máximos pena suspensa, multa ou trabalho comunitário, claro que se for alguém com cadastro ou que trafique então a historia já é outra mas desses não tenho grande pena

    Por ex no reino unido cultivar também é suposto dar pena de prisão mas até 10 marias apanham apenas uma multa, li dezenas de casos de users de um forum inglês que foram apanhados e ninguém foi preso (apenas levados à esquadra para tratar de papelada)

    Eu sei que o reino unido não é portugal mas pronto, lá também é "proibido"
    Última edición por Noctie; 23/06/2013 a las 23:17 PM

  2. El siguiente Usuario da las gracias a Noctie por este Post:

    Dika (24/06/2013)

  3. #17
    Fecha de Ingreso
    19 Jul, 10
    Ubicación
    Canabilândia
    Mensajes
    6,321
    Gracias
    7,699
    11,991 gracias recibidas en 4,203 Posts
    Mencionado
    389 Mensaje(s)
    Etiquetado
    38 Tema(s)
    Citado
    1064 Mensaje(s)

    Re: Codigo penal para cultivo de Canábis PT

    Para quem tiver paciência está aqui um acordão do tribunal da relação de coimbra muito interessante em relação ao consumo médio individual, creio que qualquer um de nós poderia parssar pela mesma situação







    Acórdão do Tribunal da Relação de Coimbra
    Processo:
    946/09.0GBILH.C1
    Nº Convencional: JTRC
    Relator: OLGA MAURÍCIO
    Descritores: CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS ESTUPEFACIENTES
    LIMITES QUANTITATIVOS MÁXIMOS
    PRINCÍPIO ATIVO
    Data do Acordão: 19-12-2012
    Votação: UNANIMIDADE
    Tribunal Recurso: BAIXO VOUGA - ÍLHAVO- JUÍZO DE MÉDIA INSTÂNCIA CRIMINAL DE AVEIRO
    Texto Integral: S
    Meio Processual: RECURSO CRIMINAL
    Decisão: REVOGADA
    Legislação Nacional: ARTIGOS 40º Nº 2 DO D.L. Nº 15/93, DE 22/1, 9º E MAPA ANEXO, DA PORTARIA N.º 94/96, DE 26 DE MARÇO
    Sumário: 1.- A detenção de substâncias compreendidas nas tabelas I a IV anexas ao D.L. nº 15/93, de 22/1, para consumo próprio integra a prática de um crime de consumo de estupefacientes, do art. 40º, nº 2, se a sua quantidade for superior à necessária para o consumo médio individual durante o período de 10 dias;
    2.- Para a determinação do estado de toxicodependência é essencial não só identificar a natureza da substância, com vista à demonstração de que ela integra as referidas tabelas, como ainda também a percentagem do princípio ativo existente no produto apreendido;
    3.- Só depois, com estes valores fixados no exame laboratorial, é que podemos socorrer-nos dos valores referidos no mapa anexo à Portaria nº 94/96, de 26/3: só perante a percentagem do princípio activo constante da substância apreendida, só perante um produto “puro”, conforme se diz em linguagem corrente – seja com a canabis, seja com qualquer outra substância, mormente heroína ou cocaína -, é que podemos avaliar se a quantidade detida é «superior à necessária para o consumo médio individual durante o período de 10 dias».
    Decisão Texto Integral: 1.Nos presentes autos foi o arguido A... condenado na pena de 120 dias de multa, à taxa diária de 8 €, pela prática de um crime de posse de estupefacientes para consumo, do art. 40º, nº 2, do D.L. nº 15/93, de 22/1.

    2.
    Inconformado, o arguido recorreu, retirando da motivação as seguintes conclusões:
    «1º Os factos inscritos em 4. e 5. Dos factos provados foram incorretamente julgados.


    2º Quanto ao facto 4., deu-se como provado que "As referidas substâncias foram submetidas a exame laboratorial, após o qual se verificou tratar-se CANABIS (resina), substâncias estupefacientes abrangidas pela Tabela IC anexa ao Decreto-Lei nº 15/93, de 22 de Janeiro".


    3º Ora, as referidas substâncias são as seguintes, no que ao recorrente respeita [cfr. ponto 2. dos factos provados]: três embalagens de um produto de cor castanha com o peso total de 5,5 gramas e uma embalagem com um produto comummente designado por liamba, com o peso total de cerca de 1 grama.


    4º Tais substâncias foram submetidas a exame laboratorial.


    5º Conforme consta do referido exame, a substância CANABIS (resina) apenas respeita ao "produto de cor castanha com o peso total de 5,5 gramas", e não "produto comummente designado por liamba, com o peso total de cerca de 1 grama". A designação correcta para este último produto é a de CANABIS (Folhas e sumidades).


    6º Ou seja, a manter-se o facto provado em 4. nos termos em que o foi, o arguido teria na sua posse o peso total 6,5 gramas de substância designada por CANABIS (Resina), o que não ocorreu.


    7º Tal facto deverá pois ser alterado em conformidade, precisando-se que "As referidas substâncias com o peso total de 5,5 gramas foram submetidas a exame laboratorial, após o qual se verificou tratar-se CANABIS (Resina) …”.

    8º Quanto ao facto 5., também incorrectamente julgado, deu-se como provado que “tais substâncias destinavam-se ao consumo dos arguidos, as quais excediam a quantidade necessária para o consumo médio dos mesmos durante o período de dez dias".

    9º O tribunal a quo, salvo mais avisada opinião, não poderia dar como provado que tais substâncias excediam a quantidade necessária para o consumo médio do arguido durante o período de dez dias.


    10º Segundo o acórdão de fixação de jurisprudência 8/2008, DR 150, Série I, de 5/8, do STJ, "Não obstante a derrogação operada pelo artigo 28º da Lei nº 30/2000, de 29-11, o artigo 40º, nº 2, do Decreto-Lei nº 15/93, de 22 de Janeiro, manteve-se em vigor não só “quanto ao cultivo” como relativamente à aquisição ou detenção, para consumo próprio, de plantas, substâncias ou preparações compreendidas nas tabelas I a IV, em quantidade superior à necessária para o consumo médio individual durante o período de 10 dias".


    11º Por sua vez, o art. 2º da Lei 30/2000, de 29-11, qualifica como contra-ordenação a conduta de quem adquire ou detém para consumo próprio aquelas substâncias em quantidade inferior à necessária para o consumo médio individual durante 10 dias.


    12º É mister, então, apurar qual o critério a aplicar para determinar se o produto adquirido ou detido excede ou não a quantidade necessária para o consumo médio individual durante o período de 10 dias.


    13º A este respeito, a Meritíssima Juiz a quo entendeu, como consta da douta sentença, o seguinte: "os limites quantitativos máximos para cada dose média individual diária são expressos em gramas e constam da tabela publicada na Portaria 94/96 de 26.03. No caso é de 0,5,gr o limite máximo diário admissível. Provou-se que os arguidos detinham na sua posse substancia estupefaciente (resina de cannabis) com o peso líquido superior a 5gr, o que, portanto, ultrapassa o consumo médio individual para 10 dias, que está fixado, como se disse, no mapa anexo à Portaria 94/96 de 26 de Março. Está assim preenchido o elemento volitivo do tipo de crime".

    14º Ou seja, o tribunal recorrido aplicou o peso total de 5,5 gramas de produto que continha resina de cannabis aos valores constantes da tabela a que se refere o art. 9º da Portaria 94/96 de 26-03.


    15º Ora, de acordo com tal mapa, é de 0,5 gramas a quantidade de cannabis (resina) correspondente ao consumo médio individual diário. Assim, e se nos ativéssemos apenas a este valor, não haveria dúvidas de que a quantidade de resina de cannabis detida pelo recorrente excede o consumo médio individual durante 10 dias, porquanto o mesmo é de 5 gramas.
    16º Há que considerar, porém, o que a jurisprudência vem entendendo a respeito dos valores fixados no mapa a que se refere a Portaria nº 94/96.



    17º Por um lado, tais valores devem ser apreciados nos termos da prova pericial (artigo 163º CPP), como decorre do nº 3 do artigo 71º da Lei nº 15/93 - ou seja, os mesmos não são de aplicação automática, podendo ser afastados pelo tribunal desde que acompanhados da devida fundamentação.

    18º Por outro lado, o mapa anexo à Portaria nº 94/96 refere-se à percentagem de princípio activo (cfr. al. c) nº 1 art. 71º do DL 15/93, de 22-01), isto é, refere-se à droga em estado puro.


    19º Ora, os produtos estupefacientes adquiridos pelos consumidores finais não se encontram, as mais das vezes, no seu estado puro, sendo objecto de cortes e misturas para aumento do lucro dos traficantes.


    20º No caso sub judice, o exame ao produto apreendido, efectuado pelo Laboratório de Polícia Científica, não quantifica a percentagem do princípio activo, antes se limita a indicar o peso líquido do produto que contém o estupefaciente, o que leva a desconhecer-se o grau de pureza da substância estupefaciente identificada.



    21º E, relativamente ao exame laboratorial referido no art. 62º do DL 15/93, o nº 1 do art. 10º da Portaria 94/96 diz o seguinte: "[ ... ] o perito identifica e quantifica a planta, substância ou preparação examinada, bem como o respectivo princípio activo ou substância de referência".


    22º Ora, o exame constante dos autos limitou-se a identificar as substâncias como cannabis - pesando-as com o saco plástico que as envolvia e, posteriormente, sem o saco plástico que as envolvia!


    23º Por isso, não tendo sido quantificada a percentagem do princípio activo, o tribunal recorrido não se poderia ter socorrido dos valores constantes do mapa anexo à Portaria nº 94/96.


    24º Na impossibilidade de aplicação dos valores indicativos constantes do mapa anexo à Portaria 94/96, o tribunal a quo não estaria ainda assim impossibilitado de responder adequadamente - "provado" ou "não provado" - ao facto vertido no ponto 5 dos factos provados.


    25º Isto porque, como se disse, os valores fixados no mapa a que se refere a Portaria nº 94/96 devem ser apreciados nos termos da prova pericial (artigo 163º CPP), como decorre do nº 3 do artigo 71º da Lei nº 15/93 - não são, portanto, de aplicação automática, podendo ser afastados pelo tribunal com a devida fundamentação.


    26º Por isso, para além da referida tabela, o tribunal recorrido poderia ter lançado mão de outros critérios.


    27º Assim, o conceito de quantidade necessária para o consumo médio individual durante o período de 10 dias poderá ser preenchido quer por recurso aos elementos do caso concreto, quer por recurso a critérios jurisprudenciais, também eles fontes de direito.


    28º Segundo o primeiro dos critérios, na questão atinente às quantidades de estupefacientes e inerentes períodos de consumo, é a prova do caso concreto relativa ao tipo de estupefacientes, ao grau de adição do consumidor e ao modo como é consumido, que há-de ditar o possível enquadramento em sede contra-ordenacional ou, ao invés, criminal.


    29º No caso, sabe-se, em primeiro lugar, tratar de uma designada droga leve, que não tem os efeitos devastadores que tem, por exemplo, a heroína ou a cocaína. Em segundo lugar, o seu peso total, líquido ou impuro, é baixo, estando mesmo muito próximo do limite estabelecido na referida tabela para a substância em estado puro. Em terceiro lugar, resulta das declarações do arguido que a quantidade apreendida lhe daria para quatro ou cinco dias, de acordo com o consumo que tinha na altura; que fazia uma média de dois, três charros por dia; que um grama lhe daria para cerca de dois charros - declarações que se mostram perfeitamente coerentes e que, de acordo com as regras da experiência, são de admitir como verdadeiras. Em quarto lugar, de todas as testemunhas que referiram o assunto, nenhuma soube adiantar muito mais relativamente à maior ou menor adição do arguido, ou ao período de tempo para que a quantidade apreendida chegaria.


    30º Nada no processo infirma as declarações do arguido que, apesar de serem do arguido, merecem credibilidade, porque conformes às regras da experiência.


    31º Por todo o exposto, o tribunal não deveria ter dado como provado que o arguido detinha droga que excedesse a quantidade para o seu consumo médio durante dez dias, devendo o tribunal ter respondido "não provado" ao facto inscrito no ponto 5 dos factos provados. Na dúvida, o julgador deverá resolver sempre a favor do arguido.


    32º Mas poderia ainda o tribunal ter recorrido a outro critério. Sempre seria perfeitamente legítimo ao tribunal recorrido lançar mão do critério jurisprudencial existente antes da publicação da referida Portaria, baseado nas regras da experiência comum e que tem em conta o normal grau de impureza das substâncias estupefacientes quando chegam ao consumidor final.


    33º De acordo com esse critério, é de 2 gramas a quantidade necessária para o consumo médio individual diário de cannabis, sendo de 20 gramas o consumo médio individual de 10 dias.


    34º Assim, sendo o peso total da substância apreendida ao arguido de 5,5 gramas, o mesmo é bastante inferior ao do referido critério jurisprudencial.


    35º Em conclusão, o tribunal, por qualquer dos caminhos que trilhasse, nunca poderia dar como provado que as substâncias apreendidas excediam a quantidade necessária para o consumo médio do arguido durante o período de dez dias.
    DE DIREITO


    36º A douta sentença recorrida violou o nº 2 do art. 40º do Decreto-Lei nº 15/93, de 22-01, o nº 2 do art. 32º da Constituição da República Portuguesa e o art. 9º e mapa anexo da Portaria 94/96, de 26-03.


    37º Para que o arguido seja punido pelo crime previsto no nº 2 do artigo 40º do Decreto-Lei nº 15/93, de 22-01, é imperativo que o mesmo detenha estupefaciente em quantidade superior à necessária para o consumo médio individual durante o período de 10 dias. Não se dando como provado esse facto, deverá o arguido ser absolvido.


    38º O tribunal a quo não poderia ter considerado preenchido o pressuposto de que aquela quantidade excedia a necessária para o consumo médio individual durante 10 dias.


    39º O tribunal recorrido aplicou o peso total de 5,5 gramas de produto que continha resina de cannabis aos valores constantes da tabela a que se refere o art. 9º da Portaria 94/96 de 26-03, os quais se referem ao princípio activo.


    40º A droga adquirida pelos consumidores finais não se encontra, quase sempre, no seu estado puro.


    41º Por se desconhecer a percentagem de princípio activo, que não foi quantificada pelo LPC, o tribunal recorrido não poderia ter
    aplicado os valores constantes do mapa anexo à Portaria nº 94/96.


    42º Mas, ainda assim, não estava vedado ao tribunal a quo a aplicação do Direito. Vale dizer: mesmo constando dos autos apenas prova do peso total da substância (e não estando, portanto, quantificado o princípio activo), ainda assim não havia insuficiência para a decisão da matéria de facto provada.


    43º É que, na impossibilidade de aplicação dos valores indicativos constantes do mapa anexo à Portaria 94/96 - e não se tratando estes valores de valores de aplicação automática, mas sim a ser valorados nos termos da prova pericial, cfr. nº 3 do artigo 71º da Lei nº 15/93 - sempre poderia o tribunal recorrer a dois outros critérios que vêm sendo aplicados pela jurisprudência.

    44º Um deles, atinente à prova do caso concreto relativa ao tipo de estupefacientes, ao grau de adição do consumidor e ao modo como é consumido.

    45º Nos termos deste critério, o tribunal não deveria ter considerado que a quantidade detida pelo arguido excedia a necessária para o seu consumo durante dez dias: trata-se de uma droga leve, o seu peso total é reduzido, o arguido afirmou que aquela quantidade lhe daria para quatro ou cinco dias, de acordo com o consumo que tinha na altura, e de todas as testemunhas que referiram o assunto, nenhuma soube adiantar muito mais relativamente à maior ou menor adição do arguido, ou ao período de tempo para que a quantidade apreendida chegaria.

    46º Em caso de dúvida, o julgador deve sempre favorecer o arguido por aplicação do princípio in dubio pro reo.

    47º O outro é o critério jurisprudencial que vem sendo abundantemente aplicado, baseado nas regras da experiência comum e que tem em conta o normal grau de impureza das substâncias estupefacientes quando chegam ao consumidor final. De acordo com esse critério, é de 2 gramas a quantidade necessária para o consumo médio individual diário de cannabis, sendo de 20 gramas o consumo médio individual de 10 dias.



    48º Tal quantidade é muito superior à detida pelo arguido.

    49º Por qualquer solução de direito, o arguido deverá ser absolvido - seja por aplicação do princípio in dubio pro reo, seja por aplicação do critério jurisprudencial baseado nas regras da experiência comum, uma vez que a droga que detinha não excedia a necessária para o consumo médio individual durante 10 dias».
    3.
    O recurso foi admitido.
    4.
    O Ministério Público não respondeu porque, diz, concorda com a tese defendida no recurso.
    O Exmº P.G.A. junto desta relação defendeu a procedência do recurso porque não estando provada a percentagem do princípio ativo no estupefaciente que o arguido detinha não é possível concluir, por via do princípio in dubio pro reo, que a quantidade detida excedia o consumo médio individual de 10 dias.

    para continuar a ler http://www.dgsi.pt/jtrc.nsf/8fe0e606...6?OpenDocument
    Última edición por Foxyhaze; 30/01/2015 a las 13:56 PM

  4. Los siguientes 7 Usuarios dan las gracias a Foxyhaze por este Post:

    1000k (30/01/2015), ahpoixeh (30/01/2015), beckhampt (03/02/2015), branchbender (30/01/2015), ptfarmer420 (30/01/2015), TimoteoPT (30/01/2015), Urban (05/02/2015)

  5. #18
    Fecha de Ingreso
    17 Oct, 10
    Mensajes
    1,304
    Gracias
    1,515
    2,032 gracias recibidas en 829 Posts
    Mencionado
    103 Mensaje(s)
    Etiquetado
    0 Tema(s)
    Citado
    270 Mensaje(s)

    Re: Codigo penal para cultivo de Canábis PT

    Lindo!!!! Grande juiz! E pode dar muito jeito a malta que (bate na madeira) ande por aqui e possa ser apanhada.

    Obrigado Foxy
    "It's not a war on drugs, it's a war on personal freedom, it´s what it is ok?. Keep that in mind at all times. Thank you!"
    -- Bill Hicks

  6. El siguiente Usuario da las gracias a 1000k por este Post:

    Foxyhaze (30/01/2015)

  7. #19
    Fecha de Ingreso
    17 Jun, 12
    Mensajes
    277
    Gracias
    485
    536 gracias recibidas en 190 Posts
    Mencionado
    16 Mensaje(s)
    Etiquetado
    0 Tema(s)
    Citado
    57 Mensaje(s)

    Re: Codigo penal para cultivo de Canábis PT

    http://www.google.pt/search?q=site:h...lantas+canabis

    Vou dar uma procurada em casos de cultivo (:
    « 1 - 2 - 3 »

  8. El siguiente Usuario da las gracias a branchbender por este Post:

    Foxyhaze (30/01/2015)

  9. #20
    Fecha de Ingreso
    17 Jun, 12
    Mensajes
    277
    Gracias
    485
    536 gracias recibidas en 190 Posts
    Mencionado
    16 Mensaje(s)
    Etiquetado
    0 Tema(s)
    Citado
    57 Mensaje(s)

    Re: Codigo penal para cultivo de Canábis PT

    Antes que me esqueça, depois de ter lido alguns vários, fiquei com preguiça de fazer uma compilação já que cada caso é um caso.
    Mas algumas coisas podem serem ressaltadas.

    Casos de acusações de tráfico, a quantidade em si não é suficiente, tem que haver outros indícios que valide a acusação.
    Coisas que são recolhidas e anexadas como provas de tráfico por exemplo, são: doses individuais, ziplocks (aqueles saquinhos plásticos), balanças de precisão, dinheiro, registos de produção, equipamentos para extracção de resina, depósitos suspeitos na conta bancária, movimentação suspeita na residencia, entre outras que não me lembro no momento.

    Se não houver outras provas que qualifique como tráfico, mesmo com quantidades muito acima da tabela de regulamentação, pode tentar recorrer para que a acusação de tráfico seja mudada para a condenação por simplesmente portar a quantidade superior à indicada para o consumo de 10 dias. Que dos males é menor.

    Em casos de julgamentos por quantidade superior à permitida, para se livrar tem que contar com tecnicidades como no caso que o @Foxyhaze postou logo acima.

    Deitei uns 40 ziplocks fora, tinha guardados aqui em casa, porque são "embalagens para doses individuais".
    Balança de precisão nunca comprei, porque isso eu sempre soube que era um agravante.
    Doses individuais, mesmo que para consumo próprio (por conveniência), os experientes policiais gostam de se referir como "doses prontas para serem comercializadas" nas acusações.
    Registos de produção podem ser guardados na nuvem, não ajuda nada ter algo físico em casa para ser apreendido como prova de que tu produziu X quilos nos últimos tempos ou que tu está infringindo conscientemente a lei por um longo período.

    E sempre cuidado com as vistas, porque tem gente que não pode ver ninguém feliz, apronta, conspira contra, infeliz. Na vila a gente logo aponta e diz: Esse aí é Zoião.
    « 1 - 2 - 3 »

  10. Los siguientes 6 Usuarios dan las gracias a branchbender por este Post:

    beckhampt (03/02/2015), Filipinho (08/02/2015), Foxyhaze (01/02/2015), growbloom (03/02/2015), TheStonerGuy (04/02/2015), Urban (05/02/2015)

+ Responder Tema
Página 2 de 2 PrimerPrimer 12

Usuarios Etiquetados

Permisos de Publicación

  • No puedes crear nuevos temas
  • No puedes responder temas
  • No puedes subir archivos adjuntos
  • No puedes editar tus mensajes