Anuncio

Colapsar
No hay anuncio todavía.

Composto,nutrientes ,água,insetos e fungos: Guia e técnicas de cultivo biológico

Colapsar
Este es un tema pegajoso.
X
X
  • Filtrar
  • Tiempo
  • Mostrar
Limpiar Todo
nuevos mensajes

  • Re: Compostagem simples,solo e substrato, noções e técnicas de cultivo biológico

    Aqui fica fica a minha contribuição, NPK de estrume de alguns animais.


    Hasta
    Editado por última vez por Foxyhaze; https://www.cannabiscafe.net/foros/member/95137-foxyhaze en 13/04/2015, 13:59 .

    Comentario


    • ÁGUA

      A água é essencial para a vida das plantas. Para sobreviver, elas necessitam de água tal como de nutrientes que são absorvidos do solo pelas raízes. A sua composição de 90% água é transportada por toda a planta, quase continuamente, para manter os seus processos vitais.



      Raízes

      As raízes absorvem água do solo que é transportada para a planta. Grande parte dessa
      água é absorvida através dos pelos radiculares, que são pequenas radículas que
      penetram o solo em torno das raízes aumentando a área da superfície da raiz. A água é
      um solvente que absorve os minerais do solo para a planta. Quando o solo seca demais, o crescimento da raiz diminui. Se o solo está saturado de água, as raízes podem
      se encharcar.


      Fotossíntese


      O metabolismo das plantas é feito através de processos químicos e bioquímicos. Elas utilizam a luz solar para separar a água em hidrogénio e oxigénio. O hidrogênio em
      combinação com o dióxido de carbono encontrado no ar, produz açúcar. O oxigénio é
      descarregado na atmosfera na forma de vapor. As plantas usam o oxigênio para
      queimar o açúcar e transformar em energia para seus processos vitais. A única função
      das folhas é recolher a luz solar e transformá-la em açúcar. As folhas obtém água através das raízes, o ar entra nas folhas pelos pequenos orifícios chamados estômatos. Quando
      estes se abrem, o ar entra, mas também se perde água através da evaporação. Se os orifícios se fecham para conservar a água, a fotossíntese e a produção de açúcares são
      interrompidas.


      Crescimento

      São duas as formas de crescimento das plantas: a divisão celular e a expansão das
      células, que crescem pela absorção de água. A divisão celular cria células adicionais,
      enquanto a expansão delas é um aumento no seu tamanho. Se a água é limitada durante
      o período de crescimento, o tamanho de célula final é diminuída, o que leva a produção
      menor de folhas e seu tamanho também é reduzido. os frutas também serão menores, os
      caules são mais espessos e mais curtos e as raízes menores. A falta de água resulta em plantas menores e mais fracas. Para plantas que frutificam, o período crítico é após o
      florescimento, quando o fruto começa a crescer. Frutas, brotos e folhas novas requerem
      muita água e quase todo o açúcar que as folhas produzem. A falta de água minimiza o
      crescimento de novos brotos e folhas, o que significa menos açúcar disponível para o
      crescimento dos frutos. O crescimento das raízes fica mais lento, por isso a irrigação é
      necessária para manter as raízes húmidas.


      Murchar

      Plantas bem irrigadas mantêm a sua forma devido à pressão interna de água nas células
      chamada de turgescência. Quando há insuficiência de água, a pressão cai e a planta
      murcha. Esta pressão é essencial para a expansão celular da planta, que levará ao seu crescimento.


      Escassez de água


      A água regula a abertura e o fecho dos estômatos, que por sua vez regula a
      transpiração e a fotossíntese.

      Se as raízes recebem pouca água, a planta reduzirá a
      quantidade perdida pela transpiração consequentemente reduzindo o processo de fotossíntese que necessita a entrada de dióxido de carbono na planta pelos estômatos.

      Com a diminuição da fotossíntese, diminui também o rendimento das colheitas.




      Algumas práticas para poupar água no jardim


      - Começar por reparar vazamentos em torneiras e mangueiras



      - revolver o solo de vasos e canteiros para que a água penetre mais facilmente até a raiz da planta

      - espalhar junto ao pé da planta folhas secas ou palha para diminuir a evaporação da humidade do solo



      - regar nas horas mais frescas do dia para evitar a rápida evaporação da água no solo


      Como manter a humidade da terra em vasos


      - utilizar sempre vasos de plástico, cerâmica ou louça; neles, a evaporação da água é mais lenta do que nos de barro.



      - Acrescentar ao substrato produtos como vermiculite/perlite , que absorvem a água e a liberta gradualmente.



      - Manter a terra nua coberta com palha, seixos redondos ou lascas de madeira/cascas de pinheiro etc.

      Aprender a regar as plantas




      Queremos que nossas plantas fiquem saudáveis, mas como devemos regá-las corretamente?


      Aos olhos de quem nunca cuidou de plantas, regar pode parecer uma tarefa óbvia, mas na prática ela exige alguns cuidados básicos.

      As plantas precisam de água para sobreviver e ficarem vigorosas. Elas usam a água para todos os seus processos, como por exemplo absorver nutrientes da terra e fazer a fotossíntese. Uma rega correta possibilita a planta de mostrar o seu máximo potencial em beleza e produção.

      ATENÇÃO : Não encharcar demais os vasos






      Quando regar?


      Os melhores horários são de manhã e no fim da tarde (depois das 15h). Regar ao meio-dia não cozinha as folhas, o que sucede é que boa parte da água evapora-se ao meio-dia, pois é um horário muito quente. À noite a planta absorve pouca água e se molhadas as suas folhas demoram muito a secar. Para evitar o aparecimento de fungos é melhor evitar as regas noturnas ou final do dia.


      De quanto em quanto tempo devemos regar?



      Não seguir regras à risca. Não se recomenda a utilização de regas regradas, do tipo “dois copos de água,a cada 3 dias”, pois isso não funciona bem. Temos dias mais quentes e outros mais frios, mais secos ou mais húmidos, mais ensolarados ou menos... Cada dia a perda de água é completamente diferente do outro. Assim, regas regradas demais levam ao excesso ou falta de água em alguns dias.

      Água demais prejudica as plantas, por isso, deve-se mexer na terra do vaso com um palito ou com os dedos para ver se está seca ou húmida por baixo da superfície antes de regá-las.



      Algumas plantas precisam de regas mais frequentes e outras menos. Verificar as plantas a cada 2 dias. Se ainda estiver húmido fica para outra altura.



      Que quantidade de água colocar?




      Isso vai depender de outros fatores, mas como uma regra geral, é de evitar encharcar a terra nos meses mais frios. Água demais “afoga” as raízes, que também precisam de ar, além de aumentar o aparecimento de fungos e doenças. Regar devagar, parando quando a água começar a demorar um pouco a entrar na terra, ou quando a água escorrer peloo fundo de um vaso.

      No tempo quente plantas de canábis em vaso pequeno pedem mais água que em vasos grandes e da mesma forma plantas na terra aguentam também mais tempo entre regas


      Muitas folhas murchas ou uma podridão cinzenta nas folhas podem indicar que as raízes estão a apodrecer por excesso de água. Deixar secar bem antes de regar novamente.


      Curiosidade: ‘Regar’ ou ‘irrigar’?



      Pode haver quem confunda o termo “irrigar”, ou “irrigação”, com o “regar”, ou “regas”.

      A diferença não é muito importante para nós mas vale a pena perceber.

      O termo “irrigar”refere-se às regas com quantidade de água minuciosamente controlada, calculada com base em vários fatores, o que quase nunca acontece em jardins ou nos nossos cultivos.

      O termo “irrigação” é utilizado amplamente na agricultura, o termo “rega” é utilizado para jardins e outros pequenos cultivos.









      Como fazer um Gotejador Caseiro que permite regular a vazão


      Retirado de Mais fotossintese
















      Um gotejador que permite regular a vazão pode ser muito útil para quem tem plantas em vasos, hortas, jardins e afins. Muitas vezes, não estamos disponíveis para fornecer água para nossos cultivos, é aí que surge a necessidade de um sistema que possa fornecer água, para nossas amáveis plantas, enquanto estamos ausentes.


      De forma barata e simples, podemos confeccionar um gotejador muito prático. Com um equipo de soro, que é um equipamento que possibilita o controle da vazão (pode ser comprado em farmácias ou lojas especializadas), uma garrafa plástica, e alguns outros materiais para o suporte e vedação, é possível fazer o gotejador e fornecer água para as plantas por um longo período.


      Além da vantagem de economizar água, pois a aplica de maneira lenta e localizada, ainda estamos reutilizando garrafas plásticas.


      Aprendemos sobre este sistema, de irrigação com Equipo e garrafa Pet, com um projeto realizado por uma equipe do Programa UFBA em Campo (disponível aqui: Ebah).


      Elaboramos a nossa versão do gotejador e também a de um suporte, muito prático, que facilita o manuseio. Com um passo a passo bem detalhado e com nossas considerações.


      Veja o passo a passo de Como fazer um Gotejador caseiro que permite regular a vazão.





      Materiais: Equipo de soro (não utilizado), Garrafa plástica, arame, cola de cano, prego, estaca de madeira, alicate e tesoura. As características de cada material podem ser adaptadas para diferentes realidades, faremos as considerações necessárias ao longo do texto.





      Montagem do suporte:


      1) Com o arame faça duas argolas, deixando uma sobra, que será utilizada para prender na estaca. A primeira tem que ter um diâmetro superior ao da maior parte da garrafa, recomendamos dois milímetros a mais. A segunda tem que ter um diâmetro superior ao da “boca” da garrafa, mas menor que o início do recipiente. Imagem 1.


      2) Prenda as argolas na estaca, aperte bem, como mostra a imagem 2. A argola maior em cima e a menor embaixo. O tamanho da estaca fica ao seu critério, no exemplo estamos utilizando uma de 70 cm.


      3) Exemplo de como ficará: imagem 3.


      4) Exemplo de como a garrafa ficará no suporte: imagem 4. Note que a garrafa fica apenas apoiada no suporte, podendo ser retirada e colocada facilmente. É importante que a espessura do arame seja suficiente para aguentar a massa da garrafa com água. Utilizamos uma garrafa de 1,5L.













      Montagem do gotejador:


      1) Com o prego, faça um furo na tampinha da garrafa e acople o equipo, como na imagem abaixo. É importante que o furo seja menor ou igual ao diâmetro da Ponta perfurante do equipo. Para que a ponta entre “forçada”, ficando bem justa.














      2) Faça a Vedação, da parte interna e externa, com cola de cano ou alguma outra que cumpra a função, como na imagem abaixo. Se a ponta perfurante estiver bem justa e não tiver pequenos trincos ao redor do furo não terá vazamento, mas recomendamos a vedação por garantia.




















      3) Abra uma “janelinha”, como se fosse um U, no fundo da garrafa, para o abastecimento, como na imagem abaixo. Note que assim é possível abrir e fechar a abertura.




















      4) Resultado. Fixe o suporte próximo a planta, coloque o gotejador no suporte, ajuste a mangueirinha ao tamanho necessário, coloque água e regule a vazão conforme suas necessidades.



















      Importante!– Observamos que a vazão tende a diminuir após algumas horas, principalmente quando regulado para uma vazão baixa, logo é preciso ficar atento quando regular para uma vazão muito baixa, pois o sistema pode parar, ou ficar gotejando tão pouco que não cumpra a função.












      Editado por última vez por Foxyhaze; https://www.cannabiscafe.net/foros/member/95137-foxyhaze en 30/08/2015, 21:20 .

      Comentario


      • Re: Compostagem,solo e substrato, noções e técnicas de cultivo biológico

        Não tenho acerteza se é aqui que deve escrever isto mas aqui vai :
        Fui comprar terra (50l) mas nao sei se me vai ser suficiente para as plantas , e como quanto mais melhor decidi adicionar da composteira que tenho em casa mas tenho algumas duvidas :
        -pelo que sei é bom se tiverem minhocas , mas isso nao poderá ser um perigo para as raizes da planta ?
        -por vezes encotro la bucados de coisas que ainda nao estam 100% compostos . faz mal ?
        -eu vou fazer outdoor , no chao , e queria saber que misturo com a terra comprada logo quando fizer o buraco , ou se devo por a comprada e so depois alargar o buraco quando as plantas ja estiverem la

        Ps.A composteira so tem resto de vegetais , relvas e cinzas
        i need help

        Comentario


        • Re: Compostagem,solo e substrato, noções e técnicas de cultivo biológico

          Podes perfeitamente abrir um bom buraco e misturar os substratos e as minhocas só ajudam, se leres o tema desde o início penso que tens isso tudo explicado e muito mais.
          Se ainda não estiver totalmente composto não fará muita diferença se apenas forem restos vegetais como por ex. ervas ou folhas, o processo de decomposição continuará no solo, mas é preferível que já esteja completamente processado.

          Comentario


          • Re: Compostagem,solo e substrato, noções e técnicas de cultivo biológico

            Obrigado pela resposta
            Ontem a noite fui levar o balde para perto do sitio onde fui plantar e reparei que cerca de 10 minhocas estavam a tentar sair da terra . Será por ter transferido a terra para o balde ?
            Pelo que li , estes compostos sao ricos em nitrogenio . Nao terei um problema de demasiado nitrogenio quando for a floraçao ?
            i need help

            Comentario


            • Re: Compostagem,solo e substrato, noções e técnicas de cultivo biológico

              deixo aqui uma ferramenta que nos pode ajudar na escolha da exposição solar
              http://www.solartopo.com/home-pt.htm
              GUERRILHA

              Comentario


              • Re: Composto,nutrientes ,água,insetos e fungos: Guia e técnicas de cultivo biol

                Como Fazer Farinha de ossos Calcinada – Adubo Orgânico


                Retirado de Mais Fotossíntese





                A farinha de ossos calcinada é uma excelente fonte de Fósforo e Cálcio para as plantas, elementos essenciais para o desenvolvimento vegetal. É um adubo orgânico conhecido há anos e que traz resultados satisfatórios e notáveis. Pode ser fabricada sem a necessidade de aparelhos especiais.


                É um adubo insolúvel em água, portanto libera os nutrientes lentamente no solo, fornecendo os elementos por um longo período. Essa característica também tem a vantagem de não “queimar” as plantas, como pode ocorrer com alguns adubos, solúveis em água, se utilizados de forma errada.


                Vale lembrar que a eficiência do adubo vai depender de vários fatores, tais como: características físicas, químicas e biológicas do solo, forma de aplicação (incorporado ou em superfície), granulometria do adubo, entre outros. Na fabricação da F.O.C., como estamos apresentando, é importante focar na granulometria do produto final, pois quanto menor as partículas, maior será a área de contato, consequentemente a interação com o meio também será maior, logo mais rápida será a disponibilidade dos nutrientes.


                A parte mineral do osso é constituída, predominantemente, por hidroxiapatita, formada por fosfato de cálcio cristalino (Ca10(PO4)6(OH)2). Outros elementos também podem ser encontrados no osso, como o Magnésio, por exemplo, mas em concentrações muito baixas. Sendo assim, a principal finalidade da farinha de ossos calcinada é fornecer Fósforo e Cálcio.


                Veja o passo a passo de como fazer a Farinha de Ossos Calcinada.


                Para fazer a F.O.C é preciso, essencialmente, de ossos e fogo. O restante dos materiais podem ser adaptados conforme a disponibilidade, praticidade e preferência. É importante utilizar uma máscara, principalmente no momento de moer e peneirar, para não inalar o pó que fica no ar. No exemplo, estamos utilizando ossos bovinos.




                Mãos à obra!


                1) Primeiro, Calcinar os ossos. Para isso precisamos colocar os ossos em altas temperaturas.



                Método:


                – Improvise uma “churrasqueira”, feita de tijolos e uma grelha. Imagem 1.


                – Coloque os ossos na grelha e lenha na parte de baixo. Imagem 2.


                – Cubra os ossos com lenha. Os ossos ficam no meio de duas pilhas de lenha. Imagem 3.


                – Incendeie as lenhas. Imagem 4.









                1.1) Primeiro os ossos pegam fogo e ficam pretos, depois ficam brancos; deixe no fogo até que fiquem brancos e quebradiços, esse é o ponto, como na imagem abaixo. Note que na parte de baixo ficam as cinzas da lenha e na grelha os ossos. Com o calor algumas partes dos ossos podem se desfragmentarem e se misturarem nas cinzas, você pode retirar as partes maiores com uma peneira.



















                2) Moer. É possível moer o material de várias maneiras, inclusive existem aparelhos para a função, mas para fazer pequenas quantidades é possível moer utilizando um pano grosso e um martelo, pois os ossos ficam frágeis, muito quebradiços. Coloque uma porção em um pano, enrole e bata bastante, como mostra a imagem abaixo.








                3) Peneirar. Lembre-se da importância da granulometria.



















                4) Está pronto! Só utilizar.
















                Considerações!


                – Para saber os teores dos nutrientes, com exatidão, somente com uma análise química do material, mas de maneira geral as F.O.C. podem ultrapassar facilmente 20% de P2O5 total.


                – No nosso exemplo, 1 kg de ossos rendeu, aproximadamente, 500 g de F.O.C.


                – Cuidado com os ossos crus, assim que consegui-los já os coloquem no fogo para calcinarem, ou congele, deixá-los no ambiente, além do mau cheiro, pode acarretar problemas sanitários.


                – No nosso processo não exalou cheiro ruim, a F.O.C. também não tem cheiro ruim.


                – As cinzas da lenha são uma rica fonte de Potássio, podendo ser utilizadas como adubo.


                – O produto tem maior eficiência quando incorporado ao solo/substrato.





                Para mais informação ver também :


                "ESTERCO,ESTRUME OU BOSTA ?
                " e "OUTROS ADUBOS ORGÂNICOS" nos posts #44 e #45 na página 3
                "VERMICOMPOSTAGEM" e " A MINHOCA" com videos nos posts #49 e #50 na página 4


                Editado por última vez por Foxyhaze; https://www.cannabiscafe.net/foros/member/95137-foxyhaze en 31/07/2015, 15:37 .

                Comentario


                • Re: Compostagem, solo e substrato, noções e técnicas de cultivo biológico

                  Grandes ideias neste tópico. Assim que puder vou pôr fotos das minhas compostagens :-)

                  Comentario


                  • Re: Compostagem, solo e substrato, noções e técnicas de cultivo biológico

                    Ora bem, eu tenho dois "compostadores", e vou alternando entre um e outro.

                    O primeiro é feito só com 4 estacas e rede de galinheiro, muito toscamente, porque não tenho muito jeito para o bricolage. Tem 100x100x100cm aproximadamente, e está agora em elaboração.

                    IMG_20150530_135642.jpgIMG_20150530_135653.jpg

                    O outro é um de plástico comprado que já tenho há mais tempo, que terminei de encher por volta de março, e que agora vou remexendo de vez em quando mas ainda não está pronto como podem ver nas fotos mais abaixo. Ainda lá andam as nossas amigas minhocas, em primeiro plano na última foto.
                    IMG_20150530_135421.jpgIMG_20150530_135936.jpgIMG_20150530_135943.jpg

                    Ponho isto aqui mais por curiosidade, porque não me atrevo a usar este composto no meu cultivo de interior. Uso-o na horta e no jardim e com uma cobertura grossa de folhas ou palha. Quando puder fazer um de exterior, aí sim, de certeza que vou usar, mas como não sou muito seletivo naquilo que coloco na compostagem, vão sempre muitas sementes de tudo e mais alguma coisa, e sempre que pus composto em vasos, o resultado foi uma mini-selva .

                    Comentario


                    • Re: Composto,nutrientes ,água,insetos e fungos: Guia e técnicas de cultivo bioló

                      Este é um tema dedicado exclusivamente ao cultivo em exterior, o composto ,como várias vezes refiro ao longo do tema, só deve ser utilizado na rua. São muitos os problemas relacionados com a drenagem irregular , destacando a quase impossibilidade de calendarizar as regas com intervalos adequados entre fertilização e água limpa durante a floração no indoor

                      Problemas imediatos, aumento muito considerável da probabilidade de surgirem fungos nas raizes logo de inicio pela contaminação do próprio composto e pela excessiva humidade que este tipo de substrato pode reter e também insetos prejudiciais que dentro do grow terão um ambiente excelente para se reproduzir.
                      Editado por última vez por Foxyhaze; https://www.cannabiscafe.net/foros/member/95137-foxyhaze en 31/07/2015, 15:51 .

                      Comentario


                      • Re: Composto,nutrientes ,água,insetos e fungos: Guia e técnicas de cultivo bioló

                        Guia para a produção de plantas aromáticas e medicinais em Portugal



                        LINK GUIA


                        "O Guia para a Produção de plantas aromáticas e medicinais é um documento construído por um conjunto de pessoas ligadas ao estudo e à produção de plantas aromáticas e medicinais em Portugal e tem como objectivo sistematizar os principais aspectos a considerar no planeamento da produção, secagem e processamento.
                        É apresentado sob a forma de colecção de fichas temáticas que podem ser consultadas ou descarregadas a partir das ligações em baixo, onde se espera que, com os seus comentários e partilha de experiências, se possa ir permanentemente aprofundando os temas e completando a informação inicialmente apresentada. Também aqui, contamos com a sua participação!"


                        FICHAS TEMÁTICAS


                        Apresentação do Guia | Clara Lourenço; Joaquim Cunha


                        1. Tipos e Espécies de PAM | Fernanda Delgado; Orlanda Póvoa


                        2. Propagação de PAM | Fernanda Delgado; Orlanda Póvoa


                        3. Instalação das culturas de PAM | Joaquim Morgado


                        4. Protecção das culturas de PAM | Maria do Céu Godinho






                        5. Colheita de PAM | Elvira Ferreira; Margarida Costa


                        6. Secagem e Acondicionamento de PAM | Armando Ferreira


                        7. Processamento de PAM secas | Luís Alves


                        8. Extractos de PAM | Ana Cristina Figueiredo; José Barroso, Luís Pedro


                        9. Mercados e organizações no sector das PAM | Ana Barata; Violeta Lopes





                        Sobre o projeto:


                        EPAM – Empreender na Fileira das PAM em Portugal é o nome de um projecto, liderado pela ADCMoura e cujo arranque, em 2011, foi impulsionado pelo Programa para a Rede Rural Nacional (FEADER), que visa apoiar o desenvolvimento do sector das plantas aromáticas e medicinais no nosso país. Actua aos níveis da animação de rede, pesquisa e disponibilização de informação, formação, promoção e lóbi (nomeadamente para uma valorização política do sector).


                        Em Fevereiro de 2014, nele enquadrado e no âmbito do mesmo Programa, foi aprovado um conjunto de actividades sob o título Formar para a produção de plantas aromáticas e medicinais em Portugal, tendo em vista conceber, elaborar e divulgar conhecimentos técnicos sobre a produção de PAM em Portugal, capacitando os produtores de PAM e promovendo os contactos e trocas entre estes e especialistas e investigadores.


                        Sabendo-se que a produção comercial de Plantas Aromáticas e Medicinais (PAM) em Portugal é uma actividade económica recente com carências ao nível do acesso a informação técnica especializada sobre o sector, propõe-se através do projecto Formar para a produção de plantas aromáticas e medicinais em Portugal um programa de tratamento de informação técnica e sua divulgação, despoletado pela reflexão de um conjunto de especialistas que determina os temas e conteúdos a desenvolver e que dará origem a um guia para a produção de PAM e a um conjunto de seminários e workshops.


                        A informação a produzir e o conjunto de actividades de debate e divulgação visa mitigar as carências referidas e constituir um corpo de referência técnica para produtores e futuros produtores de PAM, e intensificar os contactos e trocas entre especialistas e decisores públicos e aqueles que estão mais directamente ligados às actividades económicas.


                        São actividades do projecto Formar para a produção de plantas aromáticas e medicinais em Portugal:


                        Elaboração de um Guia para a produção de PAM em Portugal: conjunto de fichas em formato digital (PDF).
                        Organização de 2 Seminários com o objectivo de divulgar o projecto e promover contactos entre especialistas/ investigadores e produtores.

                        Organização de 3 Encontros Locais de produtores e outros agentes ligados ao sector das PAM com o objectivo de envolver os interessados em processos de reflexão sobre o desenvolvimento do sector em termos de formação e troca de experiências e a incentivar uma lógica participativa.
                        Organização de 3 Workshops que permitam aos produtores terem acesso a inovações em termos do conhecimento técnico para a produção de PAM.


                        Construção de uma página na internet, em associação com o site epam.pt, destinada a divulgar o projecto e suas iniciativas, o guia de produção e os vídeos ilustrativos e a permitir a troca de experiências no seio da comunidade de utilizadores.
                        Divulgação: imprensa e outros meios de comunicação incluindo redes sociais e boletins informativos próprios.
                        Editado por última vez por Foxyhaze; https://www.cannabiscafe.net/foros/member/95137-foxyhaze en 30/08/2015, 21:32 .

                        Comentario


                        • Re: Compostagem simples

                          Originalmente publicado por BiokMok Ver Mensaje
                          Boa info!

                          Só faltou dizer que os citrinos e os seus restos não devem entrar na compostagem, baixam o ph da compostagem e matam algumas bactérias essenciais a uma boa compostagem.

                          As cinzas em excesso também acidificam a compostagem.

                          Quanto ás sementes que vão "rebentando" este ano cobri a superficie da terra com bolitas de argila e a maior parte já nem mete a cabeça de fora, só mesmo a porra das batateiras e algum tomateiros mais vigorosos.

                          Abraço
                          N tenho a certeza, mas penso q as cinzas tornam o solo mais alcalino e não ácido.

                          Comentario

                          Trabajando...
                          X